Drogarias Viva Mais
Rede de Drogarias Viva Mais | 21 2437-2657 | contato@drogariasvivamais.com.br | 23 de setembro de 2019 | Entrar | Cadastrar-se
Atendimento
Tire dúvidas com nossos atendentes
Fale com um de nossos atendentes
Receber novidades
Receba nossas atualizações em seu email
Buscar
Faça uma busca em nosso site

Dia Mundial contra Tuberculose 24/03

24 de março de 2014

Tuberculose: sintomas atrasam procura de tratamento
Fonte: Correio da Manhã

Tosse e expectoração prolongadas, cansaço, febre noturna e emagrecimento. Os sintomas passam frequentemente despercebidos e atrasam a procura de cuidados de saúde. Porém, escondem o diagnóstico de tuberculose que, quando revelada, ainda assusta, conta o Correio da Manhã.

“Os doentes lembram-se do tempo dos avós, em que a doença não era tratada e as pessoas ficavam em sanatórios. O tratamento é relativamente recente”, explica a pneumologista e membro do Plano Nacional Tuberculose e VIH, Raquel Duarte. Os números da Organização Mundial de Saúde confirmam a mudança: a morte por tuberculose diminuiu 45% desde 1990. Agora, com diagnóstico atempado e tratamento seguido à risca, a cura “é certa” e “sem sequelas”. O vírus pode estar instalado em vários órgãos. Os pulmões são o caso mais alarmante, já que a doença se torna contagiosa nas primeiras semanas. “Ao tossir ou falar, o doente liberta partículas que ficam no ar”, explica. Quem mantém contacto prolongado e em locais não ventilados com o doente corre o risco de ficar infectado.

No entanto, há forma de prevenir. “Se identificarmos quem convive com o doente em ambientes fechados, fazemos o rastreio. Quem está infectado faz medicação preventiva”. Também a medicação é o tratamento quando a infecção latente se desenvolve para doença. “Durante pelo menos seis meses, são sete a nove comprimidos, tomados todas as manhãs, num Centro de Diagnóstico Pneumológico”.

A exigência e duração do tratamento podem levar a desistências. “O doente começa a melhorar, mas começa a sentir os efeitos adversos da medicação e a tentação é deixar de tomar”, alerta. Uma situação “perigosa” por dificultar o tratamento quando retomado.

Posts relacionados

Você também pode se interessar

Deixe seu comentário

Deixe uma mensagem nesse artigo se você gostou

Comentário Fechado.