Drogarias Viva Mais
Rede de Drogarias Viva Mais | 21 2437-2657 | contato@drogariasvivamais.com.br | 23 de setembro de 2019 | Entrar | Cadastrar-se
Atendimento
Tire dúvidas com nossos atendentes
Fale com um de nossos atendentes
Receber novidades
Receba nossas atualizações em seu email
Buscar
Faça uma busca em nosso site

Morte por enfarte mais provável nas mulheres devido a diagnósticos errados

25 de março de 2014

Fonte: RCM Pharma

As mulheres têm maior probabilidade de sucumbir a um enfarte do miocárdio do que os homens, devido a erros de diagnóstico que atribuem os sintomas a crises de ansiedade, revelou um estudo canadiano, avança o Diário Digital.

Os investigadores da Universidade McGill de Montreal tentaram compreender o que justificava a grande diferença na taxa de mortalidade entre homens e mulheres vítimas de enfarte, num estudo anunciado quinta-feira.

Foram inquiridos 1.123 pacientes com idades compreendidas entre os 18 e os 55 anos, hospitalizados em 24 estabelecimentos de saúde canadianos, mas também num hospital americano e em outro suíço.

Os pacientes, todos diagnosticados com síndrome coronária aguda, responderam ao inquérito dos investigadores nas 24 seguintes ao seu internamento.

As mulheres inquiridas tinham rendimentos mais modestos do que os homens que participaram no estudo. Apresentavam também maiores riscos de diabetes e de hipertensão arterial, tinham um historial familiar de doenças cardíacas e estavam ainda mais sujeitas a depressão e ansiedade.

Os investigadores, que tiveram as suas conclusões publicadas no Jornal da Associação Médica do Canadá, constataram que, em média, se recorre mais frequentemente a electrocardiogramas e desfibrilhadores no tratamento dos homens do que no das mulheres.

A diferença de tratamento foi explicada com o facto de que os pacientes que acorrem às urgências por dores torácicas de origem não cardíaca são com maior frequência as mulheres.

Da mesma forma, “a prevalência da síndrome coronária aguda é menor nas jovens mulheres do que nos homens mais novos”, sublinhou a investigadora principal deste estudo, Louise Pilote.

Posts relacionados

Você também pode se interessar

Deixe seu comentário

Deixe uma mensagem nesse artigo se você gostou

Comentário Fechado.